Ginástica Artística com Daiane dos Santos

Foto Arquivo Daiane dos Santos

Hoje estou muito feliz porque quem veio conversar comigo sobre esporte é a Daiane dos Santos, campeã brasileira de ginástica artística. Nessa modalidade, o atleta precisa ter movimentos elegantes, demonstrar força, flexibilidade, equilíbrio e controle do corpo. 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bela -  Daiane é um prazer ter você aqui com a gente. Com quantos anos você descobriu a paixão pela ginástica artística? Houve alguém em especial que incentivou você?

 

Daiane - Fui descoberta por uma professora chamada Cleusa de Paula em Porto Alegre com onze anos e realmente foi bem tardio. A ginástica começa normalmente bem cedinho. Com 4, 5 anos, a gente já pode praticar a ginástica artística aqui no Brasil. Eu tive bastante incentivo não só dos meus professores, mas também dos meus pais. Eu acho que isso me ajudou bastante a seguir na carreira.


Bela - A ginástica artística é uma arte que exercita, fortifica e torna o corpo ágil.Você considera a ginástica artística um exercício completo para o atleta?


Daiane - A ginástica artística é sim denominado o esporte mais completo porque ele prepara para todos os outros. Como ele lida com essa questão da lateralidade, motricidade da criança e conhecimento corporal, é um esporte considerado completo.


Bela - Qual foi a competição que você achou mais difícil de executar em toda a sua carreira?


Daiane - Eu acho que sempre aprender o primeiro exercício é mais difícil porque a gente tem muito medo, não sabe como é ainda, é bem desafiador.


Bela - Ninguém consegue esquecer aquela linda apresentação que você fez com a música Brasileirinho na Califórnia em 2003. Foi o primeiro ouro do país em um mundial de ginástica artística. Um orgulho para cada brasileiro! Hoje você tem um projeto social com o mesmo nome da música, Brasileirinhos, que ajuda muitas crianças que têm o sonho de seguir o seu caminho. Conte pra gente um pouco sobre esse projeto?


Daiane - O Brasileirinhos é um projeto sócio educacional de inclusão social. O objetivo é atender crianças de 6 a 16 anos. Não é um projeto que visa a formação do atleta, mas sim a prática esportiva como ferramenta para educar as crianças. Mostrar um objetivo que elas ainda não viram através do esporte. Fazer com que elas se tornem melhores pessoas no futuro. É o que a gente quer alcançar com o projeto. O Brasileirinhos visa não só transformar crianças em atletas, medalhas, mas sim medalhas da vida, campeões da vida. 


Bela -  Isso que você disse é realmente muito importante. Precisamos ser campeões da vida e tendo você para nos inspirar é muito legal.
Na sua opinião, quais os desafios que a criança  tem para chegar a ser um atleta no Brasil?


Daiane -  O principal, no comecinho, é a questão financeira das famílias para o atleta se manter no meio. São poucos lugares que a gente tem onde não se paga. Outra questão importante é que os próprios pais colocam tabus quanto ao esporte achando que a ginástica olímpica deixa a criança baixinha, mas isso não é verdade. O que acontece é que as pessoas olham muito os atletas da ginástica artística e, por eles serem realmente mais baixinhos, acham que é a ginástica que os deixa assim baixinhos, mas tem a questão genética. No meu caso, a minha mãe é do meu tamanho, meu pai não tem 1,70m. Então eu não teria como ser alta. A não ser que tivesse puxado algum ancestral. Existem várias barreiras que o atleta precisa passar para se tornar um grande campeão na sua modalidade, o medo é uma delas.

Bela - É verdade Daiane. Como diz o professor Tinoco, o que faz a gente não crescer é não se alimentar direitinho. Tem que comer de tudo um pouco e dormir bem também.

Já que estamos falando sobre nossos pais, você poderia deixar um alô para os pais que estão lendo a sua entrevista?

 

 

 

 


 

 

Daiane - O recado que eu deixo pra todo mundo aí que curte o site, ligadinho, é pra vivenciar o sonho do seu filho, observar a criança. Se ela quer praticar um esporte que é um pouco diferente do  habitual, os pais têm que deixar, porque pode ser apenas uma curiosidade ou um talento nato. E a gente, às vezes, por qualquer preconceito, o "pré conceito", sem conhecer, acaba barrando o sonho da criança. O recado que eu posso deixar para os pais é pra incentivar seus filhos, seja na área esportiva ou em outra situação benéfica para a vida deles que eles quiserem fazer. O incentivo da família ajuda muito a criança a conquistar o seu sonho e ir até o final.
 

Bela -  Muito obrigada, Daiane! Você é muito simpática! Eu, você e a Drica vamos ser grandes amigas!  

Daiane dos Santos - Daiane dos Santos
00:00 / 00:00

© 1999-2019 - Pequeno Artista